Programa Amorim Escolha Natural Sustentável por Natureza
Home | Desempenho | Áreas Estratégicas de Actuação | Biodiversidade e Serviços do Ecossistema

Biodiversidade e Serviços do Ecossistema

Biodiversidade e Serviços do Ecossistema

A integração efectiva da sustentabilidade no negócio da CORTICEIRA AMORIM exigiu que, do largo espectro de temas que constituem a sustentabilidade, fosse identificado um conjunto de áreas estratégicas.

A Biodiversidade e os Serviços do Ecossistema constituem uma das áreas estratégicas de sustentabilidade da CORTICEIRA AMORIM. Neste âmbito, a empresa tem procurado sensibilizar, formar e premiar investigadores e proprietários florestais nesta área.

A CORTICEIRA AMORIM tem vindo a financiar, desde 2008, um serviço de aconselhamento técnico gratuito a produtores florestais, com vista à identificação e adoção de melhores práticas de gestão florestal do montado e da biodiversidade associada. Desde 2008, este serviço de aconselhamento técnico contemplou cerca de 18 000 ha de área florestal de sobreiro em Portugal e, na maior parte dos casos, as propriedades florestais que dele beneficiaram optaram por certificar os respetivos sistemas de gestão florestal pelo FSC. Este serviço de aconselhamento técnico foi instituído com a adesão da Corticeira Amorim, em Outubro de 2007, à Iniciativa Business & Biodiversity da Comissão Europeia. No âmbito desta iniciativa,  foi celebrado protocolo com o ICNF (Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas) e as ONGs WWF e Quercus que previa, para além do mencionado serviço de aconselhamento técnico, medidas para a dinamização da investigação florestal e disseminação de boas práticas de gestão. Por se considerar necessário ajustar o protocolo e respetivas medidas aos desafios atuais do setor e do ecossistema, os parceiros da iniciativa estão a equacionar novas medidas com vista à celebração de novo protocolo no ano 2014.

A manutenção, preservação e valorização do montado de sobro é, por isso, de extrema importância económica, não apenas pela produção de cortiça, como também pelo valor social e ambiental dos inúmeros serviços prestados. Por este motivo, a Corticeira Amorim defende, em diferentes fóruns, que o valor dos serviços prestados pelo montado de sobro deverá deixar de ser "teórico", devendo traduzir-se numa remuneração efetiva de proprietários florestais que, com boas práticas de gestão, providenciam um conjunto significativo de serviços fundamentais para o bem-estar humano. No âmbito deste compromisso, a Corticeira Amorim promoveu, em parceria com a CE Liège, em 2010 um estudo inovador com vista à avaliação dos serviços ambientais do montado de sobro, à escala da propriedade. Nesse trabalho, disponível em http://www.sustentabilidade.amorim.com/iniciativas/casos-de-estudo/Estudo-CORTICEIRA-AMORIM-e-CE-LIEGE-quantifica-servicos-de-ecossistema/77/, identificou-se um valor mínimo de 100 euros/hectare/ano pelos bens "públicos" providenciados pelo montado. Ou seja, existe um conjunto significativo de serviços de ecossistema1 que beneficiam a Sociedade em relação aos quais o proprietário não aufere qualquer retribuição. Urge por isso a adoção de novos modelos e novas abordagens, que considerem a dimensão económica e o valor do capital natural e dos serviços dos ecossistemas2 e que permitam, assim, evoluir para a denominada "Economia Verde".

Pela sua relevância, estas matérias têm sido objeto de profundos estudos, sendo um desses exemplos o projeto OPERA (http://www.operas-project.eu/), em que a Corticeira Amorim é a única empresa portuguesa que integra o conselho de stakeholders deste projeto.